Mulher independente, eu quero ser!

Parece clichê, mas nos dias de hoje ainda me pergunto como algumas mulheres não correram atrás da sua independência, seja financeira ou pessoal. Mulher independente, eu quero ser é um assunto polêmico, que divide opiniões, mas bastante válido para ser explorado. Uma mulher independente se torna muito mais confiante, aprende a se virar em um mundo repleto de preconceitos e incertezas. Conquista seus bens materiais, com o seu esforço e se permite viver o vida que sempre desejou. Anda com a cabeça erguida e não leva desaforo para casa.

E conquistar esta independência não é uma regra imposta por ninguém, é algo que vem de dentro para fora. Existem muitas mulheres que ainda não conquistaram sua independência, mas que estão buscando. Existem outras que não procuram esta independência, vivem bem sendo dependentes de alguém, e existem outras que tem medo de alcançar a independência e enfrentar a vida de maneira nunca antes vivida.

É claro que toda decisão existe consequências, e que podem ser lidadas positivamente ou negativamente. Se tornar uma mulher independente, vai sim lhe oferecer muitas vantagens, mas também existirão cobranças, que precisam ser enfrentadas naturalmente e com maturidade. Por exemplo, se você conquistar a sua independência financeira, começará a pagar contas, a ter responsabilidades mensais, anuais e que só serão cumpridas se você for responsável e organizada, mas também poderá gerir o seu dinheiro e gastá-lo com o que bem entender, sem cobranças de ninguém.

Mas a independência não é só financeira, se tornar uma mulher “dona de si mesma” é uma das conquistas mais fantásticas que uma mulher pode ter. É se impor na sociedade, com suas ideias, virtudes, e saber discutir qualquer assunto sem precisar aceitar tudo que é dito. É marcar com seus amigos um happy hour e ir sem precisar dar satisfação à ninguém. É poder sair por ai e não ter hora para chegar, é se olhar no espelho e ter certeza que no mundo você controla você mesma, você se ama e pode fazer o que bem entender.

Não confundam esta tal independência com desrespeito ao próximo, não tem nada a ver com isto. O respeito ao outro deve existir para a mulher dependente ou independente, mas a liberdade da independência, esta sim não tem preço.

Uma mulher que se torna independente nunca mais irá desejar outra vida!

Fonte imagens: https://pixabay.com

Siga-nos 🙂

Por que a beleza importa?

O conservador Roger Scruton, tem um belo documentário contando por que a beleza importa. A nossa cultura vem a tempos desconstruindo, objetificando e punindo-o-a. Estética e beleza se tornaram grandes vilões opressores, quando na verdade o que mudou foi a forma como olhamos para o que é belo e admirável.
Se você perguntar para qualquer criança, se sua mãe ou pai são belos, por certo eles lhe dirão que são os mais bonitos do mundo, e podem até choramingar se você descordar. O olhar inocente e puro da criança ainda não foi contaminado com padrões e estereótipos criados por nós.
Roger Scruton define este movimento como: “Em qualquer tempo, entre 1750 e 1930, se se pedisse a qualquer pessoa educada para descrever o objetivo da poesia, da arte e da música, eles teriam respondido: a beleza. E se você perguntasse o motivo disto, aprenderia que a beleza é um valor tão importante quanto a verdade e a bondade.

Então, no século XX, a beleza deixou de ser importante. A arte, gradativamente, se focou em perturbar e quebrar tabus morais. Não era beleza, mas originalidade, atingida por quaisquer meios e a qualquer custo moral, que ganhava os prêmios.
Não somente a arte fez um culto à feiúra, como a arquitetura se tornou desalmada e estéril. E não foi somente o nosso entorno físico que se tornou feio: nossa linguagem, música e maneiras, estão ficando cada vez mais rudes, auto centradas e ofensivas, como se a beleza e o bom gosto não tivessem lugar em nossas vidas.
Uma palavra é escrita em letras garrafais em todas estas coisas feias, e a palavra é: EGOÍSMO. “Meus lucros”, “meus desejos”, “meus prazeres”. E a arte não tem o que dizer em resposta, apenas: “sim, faça isso”!
Penso que estamos perdendo a beleza e existe o perigo de que, com isso, percamos o sentido da vida.”

Na cozinha a beleza sempre caminhou de mãos dadas com o sabor. A beleza do prato nos encanta e nos faz presentes, valorizando como se deve, a degustação.
Trazemos hoje alguns exemplos, palpáveis, de montagem de pratos para o domingo em família.
Divirtam-se 🙂

 

Our perfect steak to egg ratio. 🍳😋 #jerkychef 📸: @halfbakedharvest

A post shared by Chef's Cut Real Jerky (@chefscutjerky) on

Now this is what we call finger food. 😋 #jerkychef 📸: @zimmysnook

A post shared by Chef's Cut Real Jerky (@chefscutjerky) on

Our tribute to the tastiest morning duo of all time. 🍳🥓 #jerkychef

A post shared by Chef's Cut Real Jerky (@chefscutjerky) on

Gorgeous #glutenfree spring flatbreads for a light supper tonight! Head to my website for the recipe

A post shared by Jamie Oliver (@jamieoliver) on

fonte: jamie oliver e instagram
Siga-nos 🙂

O simples da vida é viver simplesmente!

Não importa se tens pouca ou muita idade, simplesmente viva.

Não importa o que deixou para trás, simplesmente viva o hoje.

A vida não distingue idade, cor ou religião, apenas lhe dá a chance para que viva mais um dia.

Você escolhe se irás viver apenas mais um dia, como todos os outros ou se irás viver mais um dia, como se fosse o mais especial e único dia de sua vida.

O simples é não complicar, é apenas viver.

Uma menina és bela por ser ela mesma.

Uma cor é linda por simplesmente existir.

Com uma reta, se faz vários trajetos.

Com duas pessoas, se faz uma terceira, uma quarta…só depende do que desejas.

Com a imaginação, se transforma nuvens em qualquer objeto.

Quem aprende a viver o trivial, aprende que a vida é mais simples obra de arte já existente.

Acordar e ver o mar, é simples.

Acordar e ver a neve, é simples.

Acordar e não ver nada, é simples.

Sair e ver o que é belo, só depende de você.

A simplicidade está nos olhos de quem vê!

Experimente viver o hoje.

Sem pensar no ontem.

E nem no que acontecerá amanhã.

Lute por seus ideais, mas sem passar por cima de ninguém.

Porque a justiça pode tardar, mas jamais falhará.

Se conseguires isto, conseguirás viver o hoje e serás muito mais feliz.

Porque, no final de tudo, o simples da vida é viver simplesmente!

Fonte imagens: https://pixabay.com

Siga-nos 🙂

A arte sensual do amor [NSFW]

Todo relacionamento tem entres seus pilares base a confiança. Sobre este pilar, e outros, uma solida relação é construída. A cozinha como arte tem um pilar muito importante também, o amor. Cozinhar com amor é cozinhar para nós, como diria Rita Lee em amor e sexo: “…Amor vem de nós, e demora…”. Quando digo para nós, não é uma forma excludente do outro, mas sim uma inclusão, pois cozinhamos para oferecer a quem amamos o prazer e o conforto do alimento, dai o para nós.

Cozinhar não necessariamente escolher vários ingredientes, junta-los, passá-los por algum processo, montá-los e servi-los em uma bela apresentação. Cozinhar as vezes é apenas escolher o que nos encantará.

Muitas vezes, não estamos realmente “presentes” nas refeições. Sentados a mesa da sala, com a TV ligada, ou com o celular a mão, apenas mastigamos e engolimos o que tem no prato, sem nenhum cuidado e dedicação aos sabores, texturas e aromas do prato.

Estamos próximos de uma data dedicada ao relacionamento, deixemos por hora as questões comerciais da data, e os convido a  praticar o amor a cozinha nesta data. E já me desculpando pelo trocadilho, é um excelente momento para sermos/estarmos “presentes”.

E esta é ainda uma boa data para testar aquela confiança do seu relacionamento. Os alimentos, in natura, tem aromas, sabores, texturas, suculências e notas completamente distintas e únicas, as quais muitas vezes por descuido ignoramos. Um morango maduro tem aroma adocicado, é suculento, mas tem textura externa firme e porosa com algumas saliências que estimulam a pele nua ao toque. Mas a boca, após a mordica, é úmido e delicioso. Sua pessoa amada, devidamente vendada, seria capaz de distinguir entre o toque firme de um morango e o aveludado de um pêssego, correndo pelo próprio  corpo?

Como seriam suas reações ao receber uma bela camada de mel, morno, frio ou gelado, pingando sobre a pele? Quais sensações únicas e instigantes ela sentiria? Claro que temos que limpar toda essa bagunça, mas também não podemos desperdiçar o alimento, logo sugiro limpar diretamente com a boca.  

Uma boa seleção variada de frutas, mel, iogurte, queijos e um bom espumante ou vinho, podem ser bons coadjuvantes em uma noite romântica, picante e inesquecível para o próximo dia dos namorados.

Para inspirar, segue uma curadoria de projetos sensuais para apreciarmos e percebermos que há beleza em todos os corpos.

Série bom dia do site papo de homem?

Projeto 365nus.com

fontes: papo de homem e projeto 365nus

 

Siga-nos 🙂

Socializar para conquistar

Viver em sociedade é uma tarefa que nos foi ensinada desde de que nascemos e só entendemos à importância de socializar, quando precisamos conquistar algo ou alguém. Socializar para conquistar é uma realidade, que deve ser administrada com muita cautela.

Existem pessoas que preferem estar só do que socializar, mas para que algumas atividades possam ser feitas com êxito, é fundamental que a socialização seja exercitada e mantida, vamos para os exemplos:

– Viajar pelo mundo – quando optamos por fazer uma viagem pelo mundo, no primeiro momento parece que viver no nosso mundo, individualizado, pode dar certo, mas basta um dia para entendermos que aprender a se comunicar será de grande valia para que a nossa viagem seja muito mais proveitosa.

– Exercer um cargo de liderança – é sempre um tarefa de muita responsabilidade e que exige uma interação contínua com toda a equipe. Até as decisões mais críticas são importantes que sejam feitas em conjunto, desta maneira quem lidera fortalece uma relação de confiança, e sempre tem apoio em momentos difíceis.

– Sair para dançar – é uma atividade que exige muita empatia, afinal sair para dançar sozinho, pode ser até interessante, mas quando começa a música a dois, pronto, é a hora que a socialização fala mais alto e você convida alguém para dançar com você, e é incrível como a dança exemplifica este papel muito bem.

A opção de socializar é sua, mas se queres conquistar cada vez mais, não caminhe sozinho!

Compartilhar momentos com outras pessoas nos fazer conquistar um mundo antes desconhecido e nos permite vivenciar experiências únicas de aprendizado, troca de energia, paciência, empatia, bom humor, evitando a depressão, nos permitindo ser mais felizes. É claro que estar com outras pessoas não é fácil, brigas, discordâncias irão acontecer, mas ainda assim compensa muito socializar.

Fonte de imagens: https://pixabay.com

Siga-nos 🙂

Mulher é igual a bumbum, você concorda?

Vamos falar de mais uma polêmica que consome os dias e as noites das mulheres brasileiras, o tal do bumbum!! Afinal quando se fala em mulher brasileira, a primeira coisa que vem a cabeça é: mulher é igual a bumbum, você concorda?

Bem, o tal do bumbum virou uma febre tão grande entre a mulherada que as que “não tem”, passaram a ter a qualquer custo, tudo para serem aceitas na sociedade, e este movimento todo tornou o bumbum da mulher um objeto de alto valor. Alguns culpam as mídias, outros o sexo masculino, mas acredito que na verdade tudo é um grande modismo que viralizou, mas que fez e faz muitas mulheres se perderem em sua essência. A autoestima se tornou ter o maior e mais redondinho bumbum.

Academia, suplemento, calcinha com enchimento, massagens, prótese, tudo para ter um bumbum perfeito. A questão é tão séria que as mulheres se esqueceram que existem outras partes do corpo que também precisam de atenção e o “estereótipo” da mulher igual a bumbum, foi se tornando cada dia mais real.

Mas já que o assunto é bumbum, conheça alguns tipos e veja em qual você se enquadra:

1 – quadrado – quando a linha do osso do quadril e a coxa são perpendiculares.

2 – formato V – quando a linha do quadril faz um ângulo interno com a sua pélvis.

3 – formato de A – quando o corpo da mulher começa com uma cinturinha fina e termina em um quadril mais largo.

4 – Redondo – um dos mais populares formatos, onde os dois lados são redondinhos.

 

5 – formato de coração invertido – quando tem mais volume na parte inferior dos glúteos, mas ainda tem volume na parte de cima.

Não importa o formato, lembre-se que você é uma mulher incrível, e que o conjunto do seu corpo faz de você uma verdadeira obra prima. As mulheres podem até ser reconhecidas por serem as brasileiras do bumbum, mas são antes de tudo mulheres determinadas, guerreiras e repletas de amor.

Mas se você pudesse escolher, qual destes formato gostaria de ter?

1 – quadrado

2 – formato V

3 – formato A

4 – redondo

5 – coração invertido

Fonte imagens: https://pixabay.com; http://cosmopolitan.abril.com.br/

Siga-nos 🙂

A cultura regional se esvai nos grandes centros

A cultura regional vem se esvaindo como areia que corre pelo corpo da ampulheta que conta o tempo.

A migração da sociedade das áreas interioranas para as aglomerações nos grandes centros, fez com que as diversas faces da cultura de um povo, entre elas a gastronomia, se esvaia sob o pretexto da falta de tempo e da preferência pela praticidade dos maléficos industrializados.

A sedução da praticidade fez com que cada vez menos as famílias se reúnam em torno de uma mesa e principalmente que o ritual de preparação do alimento, que antes era transmitido através de gerações, como em uma filosofia mestre-discipulo, já não mais aconteça. Desta forma técnicas, processos, conceitos e a arte da cozinha se perdem no tempo e morrem com seus mestres.

Valorizar a cultura local, comprando e consumindo do pequeno, valorizando o turismo fora dos grandes centros, resgatando as tradições da mesa familiar e dedicando tempo ao aprendizado de técnicas e receitas dos nossos ancestrais são formas de fazer tal resgate cultura.

Esforcemo-nos a fim de resgatar as antigas recitas, a fim de documentá-las, assim como suas técnicas. Pois só adquirindo conhecimento, dominaremos a cultura e desta forma de discípulos a mestres, seremos guardiões e semeadores de nossas culturas.

 

 

Siga-nos 🙂

Paixão ou Amor – sinta você mesmo!

Será que é Paixão ou Amor? Esta sem dúvida é um questionamento que muitos de nós fazemos e poucos são os que conseguem uma resposta, isto porque estas duas palavras são bem parecidas, mas bem distintas na sua essência.

Se é Paixão ou Amor – sinta você mesmo.

Há os que digam que paixão é quando fazemos algumas loucuras por alguém, é um sentimento que nos dá toda a coragem do mundo, enfrentamos todas as dificuldades, assumimos riscos, usamos apenas a emoção. O nosso coração palpita mais do que o normal, nada do que nos falem, mudará o nosso sentimento, mas será que estas atitudes realmente é a tal da paixão? E se tudo isto for amor? Há os que afirmam que quando se ama, um sentimento infinito nos consome, vivemos em um mundo de fadas e acreditamos que tudo sempre acabará bem. Suspiramos fundo, persistimos e tudo ao nosso redor fica mais bonito e colorido, mas a paixão também não é assim?

Nossa, que loucura é separar a paixão do amor, acredito que na verdade estes dois sentimentos são complementares, primeiro vem um e logo depois o outro, será?

Conceitualmente temos:

Paixão: é um termo aplicado à um sentimento muito forte em relação à uma pessoa, objeto ou tema. A paixão é uma emoção intensa convincente, um entusiasmo ou um desejo sobre qualquer coisa.

Amor: é um sentimento de carinho e demonstração de afeto que se desenvolve entre seres que possuem a capacidade de o demonstrar. Etimologicamente, o termo “amor” surgiu a partir do latim “amor”, palavra que tinha justamente o mesmo significado que atualmente: sentimento de afeição, paixão e grande desejo.

Ahhh…cada dia que passa acho que apenas sabe o que é paixão e amor, quem já vivenciou estes sentimentos. Por muito tempo ouvi que paixão é coisa de adolescente e que amor é coisa de adulto, mas ao longo de alguns anos tive certeza que não. Paixão e amor são para todo mundo, são fases do coração e curtir cada um deles é muito especial. O importante é sentir cada um, sem pausas, sem críticas, sem receios.

Paixão passa como um furacão, já amor eterniza como uma linda canção.

Fonte imagens: https://pixabay.com

Siga-nos 🙂

Quantas mascaras você usa?

A artista londrina, intitulada Polly Nor, nos convida a experimentar através da observação de suas ilustrações, analógicas e digitais, as mascaras e demônios que cada um de nós possuímos.

Veja uma das sequencias de ilustrações de Polly Nor:

Polly é mais conhecida por seus desenhos escuros e satíricos de mulheres e seus demônios. Seu trabalho recente apresenta uma variedade de ilustrações desenhadas a mão e digitais com um forte foco na sexualidade feminina e instabilidade emocional.

Cba 2 pretend no more

A post shared by POLLY NOR (@pollynor) on

Yeah I'm doing great.

A post shared by POLLY NOR (@pollynor) on

Be you but better

A post shared by POLLY NOR (@pollynor) on

Nobody knows

A post shared by POLLY NOR (@pollynor) on

 

Siga-nos 🙂

Mãe também pode adoecer!

A partir do momento que nos tornamos mãe, uma série de deveres nos são dado, mas em nenhum momento imaginamos que temos o direito de adoecer, mas mãe também pode adoecer, e aí o que fazer?

Só de imaginar em adoecer, ficamos malucas, afinal somos mães e os nossos filhos precisam de nós, mas não podemos esquecer que fazemos parte de um sistema bem maior e que não podemos controlar tudo, e isto significa que nós mães estamos sujeitas a sofrermos as consequências da vida humana, e podemos sim adoecer. Assumir esta condição como verdade não é simples, porque temos outra vida(s) para cuidar, mas só podemos cuidar dos nossos filhos se estivermos bem com a nossa saúde, em primeiro lugar. E aceitar que também somos seres humanos, nos deixará mais tranquilas para enfrentar o que vier pela frente, sem culpa.

E os nossos filhos, o que irão pensar se adoecermos?

Bem o que eles irão pensar dependerá muito de como a informação chegará até eles, mas é muito importante que nós mães conversemos com os nossos filhos e expliquemos que podemos adoecer sim, mas iremos fazer de tudo para sempre ficarmos bem. Mas se um dia precisarmos ir ao hospital nos cuidar, eles terão alguém para estar com eles e logo tudo ficará bem.

Confesso que sou do tipo de mãe que luta com a dor até não aguentar mais, tudo porque na minha cabeça não tenho o direito de adoecer. Mas estou errada, e de vez em quando o meu corpo pede socorro, e me vejo no hospital, precisando me cuidar para continuar cuidando da minha filha. Quando acontece isto, choro, grito, me culpo, fico brava, mas de nada adianta, só me resta aceitar que chegou a hora de me cuidar. E tudo acaba ficando bem, e percebo que a vida continua a girar, que existem outras pessoas que podem ajudar a cuidar da minha filha, quando eu precisar cuidar de mim.

Ser mãe é enfrentar dia a dia o desafio de improvisar o inesperado que a vida apresenta, e continuar a linda missão de amar incondicionalmente os nossos filhos, mas sempre lembrando de nos cuidarmos em primeiro lugar!

Fonte imagens: https://pixabay.com

Siga-nos 🙂