Coletor menstrual, um avanço na vida das mulheres!

Falar deste tema sempre causa opiniões adversas, afinal a menstruação feminina ainda é um tabu para muitas mulheres. O coletor menstrual, um avanço na vida das mulheres veio para facilitar e tornar mais cômodo este “ritual” mensal que todas as mulheres enfrentam em suas vidas.

Mas afinal, o que é esse tal de coletor menstrual? Quando foi criado? Para que serve? Ele é conhecido como um “copinho” que foi criado para dar mais mobilidade e conforto para as mulheres. E por incrível que possa parecer a produção industrial dos coletores não é recente, começou em 1930. Hoje em dia o seu uso se tornou mais popular, graças à produção de materiais mais confortáveis e hipoalergênicos. E tem por objetivo coletar o sangue da menstruação da mulher, que deve ser esvaziado de 12 em 12 horas, no máximo, para higienização.

A propaganda boca a boca entre as mulheres que utilizaram o coletor fez com que este se tornasse cada dia mais popular, e o seu uso é bem simples, mas como tudo nesta vida existem vantagens e desvantagens, acompanhe:

Vantagens

  • Menor custo, uma vez que não precisa ser comprado mensalmente;
  • Dura até 10 anos;
  • Menor risco de infecções, se higienizado da maneira correta;
  • Conforto, uma vez que é inserido dentro do canal vaginal;
  • Sustentabilidade, já que é reutilizável e acaba com as embalagens plásticas.

Desvantagens

  • Adaptação, uma vez que muitas mulheres ainda precisam se acostumar a colocar e retirar o coletor do canal vaginal;
  • Contato com o sangue, é um método que necessariamente necessita que o sangue da menstruação seja visto, retirado e o coletor higienizado, logo para muitas mulheres ainda é uma dificuldade;
  • Local adequado para higienização, como o coletor necessita ser limpo com bastante agua, é viável andar com uma garrafa de agua para os casos de não haver um banheiro por perto, por exemplo.

 

Diante das vantagens e desvantagens do uso do coletor, você experimentaria esta inovação? Qual a sua opinião sobre o assunto? Compartilhe conosco e ajude mais e mais mulheres a superarem os tabus de uma sociedade cada vez mais moderna.

Fonte imagens: https://pixabay.com

Siga-nos 🙂

Sororidade – uma filosofia de puro amor!

Muito se fala nos dias atuais em sororidade, mas o que é afinal esta palavra que virou um mantra entre as mulheres do mundo todo. Sororidade – uma filosofia de puro amor é a união entre as mulheres, é parar de atritar-se enquanto pode-se aliar-se.

 

O conceito sororidade vem ganhando adeptas em uma escala exponencial, pois é considerado mais do que um conceito, é uma filosofia de amor, onde uma mulher cuida da outra, respeitando as suas escolhas sem julgamento. É agir com admiração à outra mulher, é ter empatia e companherismo, é tratar uma a outra como irmã, é não disputar ou estimular rivalidade, é não reforçar esteriótipos ou diminuir uma mulher por suas opiniões. É acabar de vez com os julgamentos, síndrome de inferioridade. É se unir, somar ideais, filosofias, é não permitir que a sociedade machista imponha suas regras e definições, sem ao menos consulta-las.

É um conceito muito presente no movimento feminista, sendo definido como um aspecto de dimensão ética, política e de igualdade entre os gêneros. A sororidade é um dos principais pilares do feminismo, pois enaltece a ideia de irmandade entre as mulheres, onde juntas se ganha muito mais força para lutar pelos direitos e preconceitos impostos pela sociedade.

Porém vários grupos foram inserindo este conceito e outras definições foram surgindo, como por exemplo, a “sororidade seletiva”, que é aplicada quando existe uma segregação entre subgrupos que estão inseridos no conjunto do “ser mulher”, onde os interesses pessoais sobresaem o companherismo e a empatia. Temos como exemplo as feministas conhecidas por Terfs (Tras Exclusionary Radical Feminist), que não reconhecem a identidade do transgênero como mulher, logo a sororidade deste grupo é seletivo, apenas destinado à mulheres do ponto de vista biológico, excluindo completamente a identidade comportamental.

“Mais sororidade, por favor!” Sem dúvida você já ouviu esse pedido nas redes sociais, principalmente durante algumas discussões entre feministas, mas porque este conceito incomoda tanta gente? Acredito que como a sociedade sempre foi predominantemente machista, ver as mulheres se unindo, se respeitando e não permitindo mais que os seus direitos sejam esquecidos, deixa qualquer um enlouquecido. Uma irmandade que durante séculos foi ignorada, agora passa a ser idolatrada por vários grupos e cada dia mais fortalecida.

“Não sou sua rival, sou sua irmã”/ “União entre as mulheres”/”Mulheres tem o mesmo direito que os homens”.

Fonte de imagens: https://pixabay.com

Siga-nos 🙂

Caloria ruim…

O professor Carlos Augusto Monteiro , da Universidade de São Paulo – USP, apresentou recentemente o artigo “Consumo de alimentos ultraprocessados, perfil nutricional da dieta e obesidade em sete países” no 21º Congresso Internacional de Nutrição, em Buenos Aires, na Argentina. Um dos dados que mais chama atenção no estudo é o de que 21% de toda caloria ingerida, diariamente, pelo brasileiro advém de produtos  industrializados. Já falamos aqui sobre os riscos que a praticidade dos alimentos Processados e Ultra processados trazem a nossa saúde e principalmente dos nossos pequenos.

Comida saudável não tem gosto ruim

“Alimentos in natura vêm diretamente das plantas ou animais, nessa categoria entram as folhas, frutos, ovos, leites e outros. Estes alimentos não sofrem nenhuma alteração após serem “coletados”. Os minimamente processados são os in natura que passaram por alterações mínimas. Entrariam nesta categoria os grãos secos, como o arroz; ou as farinhas de mandioca ou de milho; as raízes ou tubérculos lavados; cortes de carne resfriados ou congelados e também o leite fervido.

Os processados, aqui começa o perigo, são produtos fabricados essencialmente com um alimento in natura o qual recebe sal ou açúcar. Como legumes em conserva, frutas em calda, queijos e pães. O grande vilão destes alimentos é a quantidade de sal e açúcar utilizado.

 Os ultraprocessados, fuja destes, correspondem a produtos cuja fabricação envolve diversas etapas e técnicas de processamento e vários ingredientes, muitos deles de uso exclusivamente industrial. Exemplos incluem refrigerantes, biscoitos recheados, salgadinhos de pacote e macarrão instantâneo.”

 Mas, mesmo com o alto grau de consumo de alimentos industrializados ainda estamos bem, se comparados a outros países como Estados Unidos e Reino Unido, onde as pesquisas do professor Carlos Augusto Monteiro, apontam para um consumo diário de até 60% das calorias em alimentos industrializados.

O estudo do professor, reforça a mudança cultural danosa pela qual temos passado. Com a substituição de produtos naturais, in natura ou manipulados em casa, por produtos industrializados que saem diretamente da lata, da geladeira ou do micro-ondas para a mesa da família.

O rito e a mística da cozinha deve ser incentivado entre as gerações e pode fazer parte do dia a dia das famílias. Partilhar a confecção do alimento é uma forma de resgatar o convívio diário da família, além de uma forma iniciática e filosófica de transferência de conhecimento através da metodologia mestre discípulo. Nela, filhos aprendem com seus pais e mães, que por sua vez aprenderam com seus genitores e desta forma este conhecimento milenar é transferido.

Na próxima refeição, observe seu prato e veja o quanto de processado e ultraprocessado existe nele.

 

Siga-nos 🙂

O velho banco de madeira.

A lenha fumegante arde em brasas e estalos, trazendo luz e calor, a noite fria e chuvosa que umedece aquela antiga casa. Casa construída com suor e barro trabalhado pelos dois e sua prole.

Conduzindo as panelas sobre a grelha do fogão à lenha, a velha senhora caminha hora de forma reta e certeira, hora como o balanço de um pequeno barco a mercê das ondas. Seu vestido florido e os cabelos cacheados, obedecem aos movimentos de seu corpo e em função da perna que a conduz, a reta ou a das ondas. De seus lábios, quase tão periodicamente quanto o balanço do seu corpo, saem baforadas quentes, brancas e densas, tais como nuvens das tardes de primavera.

De fronte para o antigo fogão a lenha, o velho senhor mantém-se sentado em sua antiga cadeira de madeira, mesma cadeira que tantas vezes serviu de escada da construção da casa. Na mesa ao seu lado, um monte de palhas de milho seco, recém colhidas no paiol, o aguardam sem nenhum tratamento.

Junto as palhas, um pote de plástico, que é de cor mais ou menos laranja incandescente à escolha das brasas que arde a frente. Deste, o velho senhor retira um canivete de cabo simples e amarelado pelo tempo.

Sua lamina afiada, tão quanto antes, a custo de amolações constantes, corta a palha de milho até deixá-la em formato retangular simétrico. Não demora e a pilha disforme de palhas é vencida e uma nova se forma com as mesmas, porém, agora organizadas e idênticas. O velho canivete ainda não terminou seu trabalho, a pilha começa a ser consumida outra vez. Cada palha, agora retangular, é raspada em frente e verso. até que perca toda sua aspereza e estrutura rija. tornando-se uma delicada, maleável e translúcida folha de palha de milho seco. À pesar de muito menor que a pilha anterior, a nova pilha contém as mesmas quarenta de antes.

Ainda com o canivete em mãos, o velho senhor traz para si o aromático cilindro de fumo de rolo, que em forma de corda se enrola em uma haste de madeira. E deste começa a cortar nacos. Pacientemente cada um desses nacos é picotado em pequenas e estreitas laminas. A idade do canivete se revela no ventre de seu lombo, com o abaulado em sua lamina moldada pelos anos de labuta. Logo as finas laminas de fumo se acumulam em um monte sobre a mesa e o canivete ao findar seu trabalho volta ao pote para mais uma noite de descanso.

Os dedos ainda ágeis, marcados pelos anos e pela lida na roça, esmiúçam cada lamina de fumo picado até que o monte se transforme em finas linhas de fumo e em pó de tabaco. Este novo monte não durará muito tempo, pois cada palha cortada, aparada e raspada começa a receber quantidade generosa de tabaco seco e desfiado. E que logo é enrolada, formando um cilindro que prende o tabaco em seu corpo e então é selado com saliva que percorre toda sua extensão lateral. Por fim suas pontas são dobradas para que nenhum tabaco escape dali.

Uma a uma a pilha vai se esvaindo até que o pote alaranjado esteja cheio de cilindros de palha recheados de tabaco. Garantindo assim baforadas de nuvens para esta noite e para o dia seguinte.

Sentado no velho banco de madeira, lustrado e polido pelo tempo, seus pés pequeninos custam alcançar o chão.

Siga-nos 🙂

O que é arte?

Muito comum nos dias de hoje, é o questionamento: o que é arte? A algumas semanas, a exposição sediada pelo Santander Cultural, patrocinada pela Lei Rouanet, causou enorme alvoroço pelo conteúdo das suas obras. Três delas foram taxadas de serem portadoras de conteúdo de zoofilia, pedofilia e herege. Esta percepção, mesmo sendo negada pelos artistas e pelos curadores da obra, são de consenso de grande parte da população.

O mundo da arte sofreu mudança significativa em 1917, quando Marcel Duchamp colocou um mictório em uma exposição e afirmou, isto é arte. Ele fez uma marca temporal no mundo da arte, naquele momento nascia um grande questionamento sobre quem e o que define a arte. Historicamente quem definiu o que é arte foram os grupos que detêm poder (seja ele, cultural, financeiro ou de outro tipo). Assim foi o período monárquico, onde obras eram bancadas e definidas por reis. Seguidos pelas obras sacras bancadas pela igreja, então vieram as obras aclamadas pelas grandes corporações e seus patrocinadores.

O marco promovido por Duchamp transferiu a autoridade da definição do que é arte para o artista. Desta forma, podemos dizer que existe um consenso no meio artístico de que arte é o que o artista produz. Porém a interpretação do público pode divergir bastante do artista. Daí a importância do curador. O curador é o responsável por alinhar a expectativa público-artista e desta forma tornar a experiência a mais próxima possível do que o artista gostaria que o público sentisse ao viver sua obra.

O mundo da arte é não diverge do mundo social, onde existem coisas incríveis e coisas terríveis. Onde existe honestidade e simplicidade e também corrupção e ostentação.

A liberdade de expressão pela qual tendemos a lutar sempre terá um limite. O limite do direito. A consolidação das leis de uma nação é o limite definido para a maioria do que é aceitável naquela sociedade. E este é o motivo da lei ser viva e estar em constante atualização, pois assim a sociedade democrática define seus limites. Porém, para que um limite seja alterado, alguém terá de promover esta quebra de paradigma e uma das ferramentas para esta quebra é a arte.

Logo, independente da nossa crença, no sentido mais amplo da palavra, é muito importante que ao experimentarmos qualquer tipo de arte, pratiquemos a empatia com a obra e o artista para realmente podermos vivenciar este momento e talvez até ser parte da quebra de um paradigma social.

Tolerar o diferente de nós e do que acreditamos é fundamental para um debate justo e engrandecedor. Se cercar de opiniões e visões idênticas as nossas apenas nos torna mais do que já somos.

Siga-nos 🙂

Refrigerante ou suco, o que é melhor para os nossos filhos?

Toda mãe sofre com o dilema de como oferecer alimentos mais saudáveis para o seu filho, e com tanto acesso à informação, fica muito confuso saber o que é mais saudável. Por exemplo: refrigerante ou suco, o que é melhor para os nossos filhos? Vamos tentar esclarecer mais sobre esse dilema com o foco de sempre cuidar da saúde dos nossos filhos, sem limitá-los aos prazeres da vida.

Como mãe posso dizer que os filhos deveriam vir com manual de instrução e um bônus com os itens de alimentos mais saudáveis para serem ingeridos. E a verdade é que acabamos criando os nossos filhos da mesma maneira como nós fomos criados, logo se comíamos sorvete todos os dias, vamos oferecer sorvete para os nossos filhos sem peso na consciência, mas o que não esperávamos é que os filhos nos surpreendem quando simplesmente não aceitam algum alimento ou bebida que oferecemos e aí a nossa cabeça pira: como fazer eles comerem ou beberem algo que achamos saudável? Confesso que até hoje ainda não encontrei a fórmula do sucesso, mas aprendo dia a dia a ser uma mãe mais preocupada com a saúde da minha filha e mais maleável também.

E falando sobre as bebidas, para você o que é mais saudável de oferecer para os filhos: refrigerante ou suco? Pode ser que a sua resposta imediata seja suco, mas precisamos avaliar se realmente os sucos que estamos oferecendo para os nossos filhos são realmente saudáveis.

Existem diversas vertentes que afirmam que o refrigerante é uma bomba de coisas ruins, mas existe outras vertentes que afirmam que sucos com muito açúcar ou industrializados são tão prejudiciais quanto. Logo a reflexão é tentar balancear entre essas duas bebidas e permitir sim que os filhos tomem refrigerante e sucos, mas que seja da melhor maneira possível.

Acredito que todos os alimentos podem sim ser oferecidos aos nossos filhos, porém com moderação, até porque penso que se nós mães proibirmos tudo, os nossos filhos comerão e beberão com os amigos, na festa da escola e até mesmo escondido e ai nós nos sentiremos traídas e as piores mães do mundo, seremos vítimas do sistema em que vivemos.

Fonte imagens: https://pixabay.com

Siga-nos 🙂

O poder das mulheres bem resolvidas!

Uma mulher por si só já é um ser incrível, mas o poder das mulheres bem resolvidas é indiscritível, pois permite que elas sejam tudo o que desejarem, no tempo que se permitirem ser. É saber lidar consigo mesmo em primeiro lugar, e com as diversas situações que o universo lhe apresentar.

Ser resolvida é estar de bem com a vida, é andar de cabeça erguida, é marcar uma viagem sem pedir permissão, é saber arcar com todas as consequências de suas ações, é não ter medo do novo, é dar a cara a tapa e superar os seus próprios limites, é colher o que plantou e continuar a plantar, dia a dia. É ser uma expert na cama, é ser uma profissional de sucesso, é ser uma mãe exemplar, é ser uma filha companheira. É ser consciente, mas arriscar sem ter medo de errar. É compreender que o sucesso sem felicidade é fracasso. É se permitir ser tudo que desejas ser. É cair e saber levantar mais forte. É ser uma mulher que resolve problemas, que pensa grande e positivamente. É seguir em frente, mesmo que a vida induza a fazer uma curva. É compartilhar suas experiências e se sentir com a missão cumprida perante à sociedade.

E quando falamos de mulheres bem resolvidas, estamos falando de uma margem da sociedade equivalente à 80%, isto quer dizer, que a cada dia mais as mulheres estão buscando ser independentes, ser donas do seu próprio presente e assim serem as únicas responsáveis pelo seu futuro. São mulheres que se juntam e se empoderam mutuamente. Estão dispostas a multiplicar os seus ideais, suas experiências e suas virtudes. São profissionais liberais, mães, estudantes, senhoras, casadas, solteiras, donas de casa, enfim, são todas que entenderam que o poder está em suas mãos, em todas as areas da vida.

Compreender que ser uma mulher resolvida é estar em constante aprendizado. É o primeiro passo para a sua liberdade. Se amar dia a dia, será o seu alimento para a construção de uma vida muito mais plena e feliz. Ter amigos ao seu redor com conteúdo agregador para compartilhar, será sua força externa que te dará mais bagagem e segurança para persistir. Estar perto de pessoas positivas e que querem ir sempre além, lhe permitirá seguir sempre em frente.

Acreditar que você pode tudo que desejar, é um grande passo para que a sua vida comece a ser transformada, experimente hoje essa mudança em você, o poder está em suas mãos!

Fonte imagens: https://pixabay.com

Siga-nos 🙂

Esteja presente – Mindfulness e mindful eating

O movimento mindfulness ganha novo espaço na cozinha. O mindful eating é um convite a estar presente em cada refeição. Em uma tradução literal, mindfulness seria algo como “atenção plena” ou estar inteiramente no momento vivido. A derivação deste movimento para a gastronomia seria viver plenamente cada refeição.

Se fizermos um exercício de memória, veremos que inúmeras vezes, de repente, após mais uma garfada automática, a refeição simplesmente terminou e o sabor daquele alimento não foi vivenciado. Durante alguns minutos repetimos um ritual, que dará algum tipo de energia ao corpo, para que ele continue automaticamente executando uma série de tarefas do dia a dia.

Nosso organismo é bastante adaptável e também é excelente em automatização de processo. Desta forma, quando não damos importância a algo, nosso organismo automatiza aquele processo, liberando a mente para atuação em outras atividades paralelas.

Porém cada vez mais temos nos inebriado com a prática da automação dos processos, dos relacionamentos e da vivencia como um todo. Tornando-nos zombies de tarefas inertes. Na alimentação não é diferente. Porém a má alimentação tem um custo invisível a curto, médio e longo prazo.

A refeição que era sinônimo festivo de comemoração, do sagrado, de união e confraternização. Hoje tornou-se só mais uma tarefa automatizada que acontece em frente a TV, ou com as mãos divididas pelo garfo e o celular.

Precisamos resgatar a importância de cada momento e vivê-lo como se deve.

Siga-nos 🙂

Os seus hábitos te levarão a atingir os seus sonhos!

Criar hábitos é se forçar a fazer por um tempo determinado a mesma atividade de maneira a atingir uma meta. Os seus hábitos te levarão a atingir os seus sonhos, mas para isto é preciso persistência, paciência e motivação.

Hábitos não precisam nascer conosco, normalmente são cultivados por um período, e nos fazendo bem, torna-se um vício positivo, o qual não conseguimos viver sem. Por exemplo, se temos vontade de mudar os nossos hábitos alimentares e fazemos metas para que possamos cumprir, com o tempo, estas metas se tornam hábitos prazerosos. Se traçamos uma meta de comer salada no jantar por 30 dias consecutivos, no começo será difícil, mas se o foco for o resultado, a superação dos obstáculos vai acontecendo, a motivação vai sendo o força maior e quando menos se percebe um novo hábito está enraizado.

Uma sugestão é escrever três sonhos que desejas realizar relacionado a negócio, relacionamento e família, depois que escrever deve estabelecer hábitos para conseguir cumprir cada sonho, e por fim estipular um período (data início e data fim).

Importante lembrar que nenhum sucesso negocial justifica o fracasso no seu relacionamento ou em sua família, as três áreas devem trabalhar juntas, sem que uma interfira negativamente na outra, se isto acontecer, é porque algo está mapeado incorretamente e deve ser imediatamente ajustado.

Bons hábitos construídos em prol à realização de sonhos é o grande segredo do sucesso. Quem se dispõe a tentar, sem dúvida irá conseguir obter o êxito tão sonhado.

Fonte imagens: https://pixabay.com

Siga-nos 🙂

A dança e a busca da sensualidade!

Muitas mulheres procuram a dança para se sentirem mais femininas, por isto a dança e a busca da sensualidade estão diretamente ligadas, permitindo uma imersão da mulher em um mundo totalmente voltado para ela.

A autoestima, o autoconhecimento e o empoderamento feminino são alguns dos benefícios que a dança traz para a vida das mulheres que se permitem vivenciar as mais incríveis experiências em prol a sua felicidade. Não importa a idade e nem a forma física, o que vale é a disposição em querer se sentir mais sensual, é se entregar em um mundo em que tudo é permitido.

E falando de sensualidade, a dança tem um papel fundamental, pois é capaz de despertar as várias mulheres que existem escondidas dentro de uma só. A busca pela sensualidade deve ser uma conquista diária e ser desenvolvida com muito cuidado, respeito e amor. Uma mulher que dança, descobre em si mesma que é capaz de ser o que bem desejar, que pode conquistar tudo ao seu redor e que o seu olhar, o seu corpo são ferramentas que lhe darão encorajamento para se sentirem ainda mais especiais e lindas.

Existem algumas mulheres que preferem colocar uma música em casa e se soltar e isto é muito válido também. Descobrir o potencial do corpo, perceber que a mente é capaz de tornar o seu corpo uma máquina de sensualidade é uma experiência incrível. Uma dica para descobrir a sensualidade através da dança, é colocar um música, fechar os olhos e sentir todas as emoções que a música lhe transmite e deixar fluir.

Dançar é poder ser quem você desejar ser, sem máscaras, sem receios. É se permitir conhecer a mulher que existe dentro de você e se auto conhecer de corpo e alma.

Fonte imagens: https://pixabay.com

Siga-nos 🙂