Chegada a Saint-Jean-Pied-de-Port – Os peregrinos e o táxi

Peregrino de trem, a caminho da cidade francesa de Saint-Jean-Pied-de-Port para iniciar a jornada pelo caminho de Santiago de Compostela faço amizades que valerão por todo o caminho e pela vida.

Não se esqueçam de sugerirem, criticarem e participarem da construção deste livro que representa cada peregrino em suas jornadas pessoais.

Saint-Jean-Pied-de-Port-2
Ponte em Saint-Jean-Pied-de-Port

Ao meu lado não tem nenhum passageiro, posso usar todo o espaço das duas poltronas para relaxar, no braço de cada uma delas vejo um encaixe para fones de ouvidos e logo em seguida um funcionário do trem passa oferecendo fones, eu os dispenso, pois já possuo um que gosto muito e que me acompanha há tempos. Plugo o fone e começo a passear pelas estações de rádio, até que em uma delas o locutor lê pequenos contos lúdicos e cheios de fantasia. Fico feliz em ouvi-los e perceber que mesmo não dominando o idioma consigo compreender as historias. São historias infantis interpretadas com boa entonação, alguns efeitos sonoros e caracterização de cada personagem.

Algumas horas se passam, muitas historias doces são contadas e o trem já se aproxima da estação final. Vejo novamente o passageiro da mochila com bastões e ele me observa mais uma vez, o trem para, as portas são abertas e fico na fila para deixar o trem. O suposto peregrino sai antes de mim e o vejo indo em direção a porta de vidros que se abre automaticamente, uma placa acima dela indica ser a saída. Caminho a passos largos para alcançá-lo e já o encontro do lado de fora parado como se me esperasse, me aproximo o cumprimento, e sim ele é um peregrino e está a caminho de Saint-Jean. Ele é espanhol e seu nome é Torres. Existe um pouco de dificuldade entre nós com o idioma, mas quando se tem boa vontade entres às partes a comunicação flui. Ali pude enxergar o quanto às expressões corporais participam do dialogo.

Não se passa muito tempo e outra pessoa se aproxima, e apesar da mochila muito pequena e nenhum bastão ele também é um peregrino, seu nome é Boyco e ele é búlgaro, mas mora na Inglaterra. Boyco não fala espanhol. Na verdade eu também não falo, assim como Torres não fala inglês e eu também não, mas Boyco fala italiano e então definimos nossa comunicação em uma mistura de espanhol, italiano e um portunhol mal falado, mas nos entendemos.

Depois de alguns minutos de conversa sobre as formas para se chegar a cidade de Saint-Jean decidimos ir para a estação de ônibus para tentar uma linha que poderia ir a Roscenvalles. Roscenvalles é a cidade na Espanha mais próxima de Saint-Jean.

Já na estação muita desinformação e dificuldade para encontrar alguém das companhias responsáveis pelas linhas de ônibus que fazem a rota para a cidade e já estávamos por desistir de procurar alguém quando descobrimos através de uma placa que o ônibus que vai a Roscenvalles só sai no período da tarde e já havia saído naquele dia, nos restava apenas tomar um táxi para chegarmos ainda naquele dia.


Não se esqueçam de sugerirem, criticarem e participarem da construção deste livro que representa cada peregrino em suas jornadas pessoais.

Siga-nos 🙂

Junior de Castro

Viciado em pessoas, ainda em construção e sempre em busca de mais empatia. Cozinheiro, aprendiz de aquarela e com ideias para dividir :)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *