Chegada a Saint-Jean-Pied-de-Port – Peregrino de trem

Esta é a primeira página do nosso projeto colaborativo de revisão do projeto caminho a pé. Caminho no qual um peregrino percorre os 800km que separam a divisa da Espanha com a França até a cidade de Santiago de Compostela.

Iniciamos com a viagem de trem e carro para chegar ao marco inicial do caminho francês, o qual se inicia na cidade francesa de Saint-Jean-Pied-de-Port.

Não se esqueçam de sugerirem, criticarem e participarem da construção deste livro que representa cada peregrino em suas jornadas pessoais.

Saint-Jean-Pied-de-Port-1
Ponte em Saint-Jean-Pied-de-Port.

Nasci enfim,
sem consciência passada
ou futura.

Sento-me à mesa e tenho a frente uma grande xícara de café-com-leite e ela aquece minhas mãos desacostumadas ao frio, um bolinho de chocolate me acompanha. Na primeira mordida sinto que ele está tão bonito quanto gostoso, está macio e levemente úmido com um bom equilíbrio no chocolate. Delicio-me até o ultimo pedaço.

Tomando o café-com-leite me lembro do pedido que fiz antes de sentar e da confusão que ele causou na cabeça da atendente, pois para ela não fazia sentido eu pedir café-com-leite e em seguida dizer que queria mais leite que café; e acho que ela tem razão, mas eu sempre pedi assim.

Está quase na hora de partir, confiro mais uma vez o bilhete de trem e vejo que no painel de informações já tenho um numero de plataforma. Será minha primeira viagem de trem e estou ansioso e curioso, curioso com o trem e ansioso por não saber como chegarei ao meu ponto de partida para o Caminho, a cidade francesa de Saint-Jean-Pied-de-Port.

Já no trem observo os passageiros que passam por mim em busca de algum peregrino, mas apenas um dos que vi até agora me parece ser peregrino. Ele veste uma mochila não muito grande e tem atada a ela dois bastões de cor verde, ele também me observa e passa por mim, mas não conversamos. Não me preocupo, pois imagino que teremos tempo ao longo da viagem de trem.

Encontro meu lugar no trem e ele é bem bacana, janelas amplas, poltronas aveludadas em azul com braços que retraem. Sobre as poltronas uma prateleira de vidro onde posso acomodar a bagagem. Sento-me confortavelmente, reclino a cabeça no encosto olhando para cima e pelo vidro avisto minha mochila e ali pela primeira vez sinto que minha caminhada começou.


Não se esqueçam de sugerirem, criticarem e participarem da construção deste livro que representa cada peregrino em suas jornadas pessoais.

Siga-nos 🙂

Junior de Castro

Viciado em pessoas, ainda em construção e sempre em busca de mais empatia. Cozinheiro, aprendiz de aquarela e com ideias para dividir :)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *