Como é difícil sentir.

Lembro-me bem de quando era criança, ainda com vocabulário limitado e sentia medo quando algum estranho desconhecido, aos meus olhos infantis, me era apresentado por meus pais. Certa vez, meus me levaram a uma festa, era noite e estando na fazenda o céu se mostrava repleto de estrelas, formando um tapete brilhante que nos guiava em noite escura de lua pequena. Ao chegarmos no local da festa mais um daqueles adultos estranhos e desconhecidos me foi apresentado. Prontamente me guardei por de trás das pernas da minha mãe. Um local seguro e acolhedor para uma criança da minha idade. A expressão do sentimento era simples e fluida naquela época. Não havia motivos para fingir coragem ou qualquer outro tipo de sentimento. Quando crianças expressamos tudo que sentimos da forma mais simples possível, pois temos a tranquilidade de estarmos em um ambiente seguro, protegidos pelos nossos pais e pelos adultos que nos amam e que irão nos livrar de qualquer mal.

Um dia crescemos e já não é mais possível esconder por de trás das pernas de nossas mães e então, quando adultos e tomados por qualquer sentimento, o que fazemos é racionaliza-lo e expressar algo que faça com que pareçamos fortes, estáveis e felizes. Nos ensinam cedo que expressar sentimentos é sinal de fragilidade e fraqueza, coisa de criança. Nessa construção, cada vez que um sentimento surge e não sabemos como lidar com ele, e por certo não saberemos, pois não lidamos com eles, apenas os escondemos atrás de mais uma máscara social. Assim é possível fazer um belo selfie, conquistar alguns likes e seguir como se nada tivesse acontecido. E assim, mais um sentimento é soterrado dentro de nós. Pouco inteligente essa atitude, não é?

A inteligência emocional é a capacidade humana de entender e lidar com suas emoções. Pode não ser possível controlar sentimentos, mas é minimamente saudável entender e identificar o que se sente e ainda poder e ter condições de se escolher, conscientemente, suas atitudes diante do sentimento despertado. As vezes, as “pernas de nossas mães” podem sim ser uma máscara social, mas é preciso ter consciência na escolha de utiliza-la e ainda o motivo pelo qual se usa.

Trabalhar a inteligência emocional é conectar-se com nossa essência. É permitir sentir ao invés de anestesiar. E não falo só dos sentimentos que aprendemos a não gostar, como a tristeza, a dor, a infelicidade. Mas falo também do amor, da paixão, do prazer. Se não nos permitimos sentir, não deixamos que o outro manifeste este sentimento por nós. Não é possível ser amado por alguém se não permitimos que nos amem. É preciso coragem para amar e ser amado. Assim como é necessário permitir sentir a dor, para que venha a cura. Sentimentos não são monstros que precisamos manter distantes da nossa expressão. Sentimento é o que nos torna humano.

Sinta e enjoy.

imagem: @teoeominimundo

Siga-nos 🙂

Junior de Castro

Viciado em pessoas, ainda em construção e sempre em busca de mais empatia. Cozinheiro, aprendiz de aquarela e com ideias para dividir :)

Um comentário em “Como é difícil sentir.

  • 12 de fevereiro de 2019 em 20:49
    Permalink

    Simplesmente amei! 😍❤️

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *