A transformação de uma mulher em bailarina!

E de repente, como em um conto de fadas acontece a transformação de uma mulher em bailarina. Ela abre os olhos e não se reconhece mais, uma mudança que foi iniciada bem antes de tudo ser notado.

Tudo começa meio sem querer, a rotina de uma mulher é bem cansativa e depois de um dia de muito trabalho tudo o que ela deseja é um momento só dela, em que se sinta única, linda, especial, amada e é a hora que ela sai em busca de um resgate da sua identidade, muitas vezes perdida com o tempo. Ela encontra um lugar que à acolhe, uma escola de dança que a conduz a voltar a se admirar, que mostra à ela que é possível sim reconstruir uma mulher perdida ou até construir uma mulher que ainda não se encontrou, e aí começa uma transformação incrível da mulher em uma linda bailarina.

A dança tem um poder incrível e pode ser considerada um remédio para curar a alma! A mudança não acontece da noite para o dia, mas é como uma semente plantada, que com cuidado vai criando forças, crescendo e se fortalecendo a cada dia. O autoconhecimento, a postura, a pose para uma foto, o olhar, a auto estima, a motivação são algumas das mudanças que a mulher bailarina tem na sua vida. E por mais que ela se esconda, o universo a observará, pois a transformação em sua estrutura física, emocional e mental não terá como passar despercebida. Uma mulher que antes se achava feia, gorda, novinha, incapaz, agora enxerga em si qualidades incríveis, que à engrandece e reafirma a sua missão nessa vida.

E uma vez descoberta a bailarina de uma mulher ninguém é capaz de roubá-la. É uma nova identidade que é incorporada ao corpo físico. É um marco de liberdade que jamais será esquecido. É o fazer-se presente no universo, é impor-se e fazer o que a alma desejar, sem pudor, sem receio e sem sentimento de culpa.

Abaixo é possível sentir, através das sinceras palavras, a incrível transformação de mulheres em bailarinas, que descobriram na dança do ventre uma bailarina que as complementam e as tornam ainda mais poderosas, incríveis e cheias de vida:

Comecei a fazer dança do ventre em 2012 ,desde então começou uma grande transformação em minha vida em todos os aspectos, como mulher, esposa, mãe , triplicou minha auto estima, fiquei mais paciente e mais organizada, cheguei a tomar cinco antidepressivos e hoje não tomo nenhum. A Dança do Ventre me apresentou um universo de possibilidades e também pessoas e amizades maravilhosas para vida toda. Hoje sou Bailarina de Dança do Ventre e professora no Zahra Studio de dança do ventre em Brasília. #gratidao#belydancers#amigasqueadancauniu. [Monique]

 

A alma de uma bailarina jamais é esquecida no universo, pois ela carrega uma energia grandiosa que a faz ser tudo o que ela desejar! A dança para uma bailarina é a carga que ela precisa para se renovar a cada dia! [kadriya saidad]

Sinto uma grande transformação interna e externa. Mais confiança, criatividade e entrega. [Dulce]

Não acho seja uma transformação e sim um acréscimo. É o meu momento mas, não me considero uma bailarina…me falta muito.

Minha transformação em bailarina de dança do ventre começou com uma breve pesquisa sobre esse ritmo. Eu já havia passado pelo Jazz, pela ginástica rítmica e acrobática, pelo ballet. Provavelmente, a dança do ventre seria mais um ciclo, um curso que eu começaria e terminaria. Mas, quando pisei no estúdio de dança, dedicado totalmente à cultura árabe, me apaixonei. Foi uma sensação incrível, que mexeu com todos os sentidos. Os incensos eram bons, a música era boa, a decoração perfeita. E então eu comecei as aulas. Comecei e nunca parei. É um ciclo que não quero terminar. Hoje danço em palcos, restaurantes, eventos, competições e até fora do Estado. Fiz amizades incríveis e entendo melhor o universo do poder feminino. Enfim, o tempo vai me tornando cada vez mais capaz e apaixonada pela dança do ventre. [Luísa]

A bailarina e a mulher se complementam. A mulher é força, é multitarefa, é mãe, profissional, estudante. A bailarina é encantamento, beleza, é um personagem que inventamos e reiventamos. Não dá para subir no palco, pensando nos padrões que a sociedade nos impõe, é preciso se despir de qualquer pré julgamento, não pensar, deixar a música e a emoção nos levar, tocar cada instrumento com nosso corpo e assim tocar a alma de quem nos assiste. E o melhor quando tudo se funde a mulher e invande o espaço da bailarina, e a bailarina soma à mulher o encantamento e a sua autoestima. [Anna Kalila]

 

Siga-nos 🙂

Autor: Karla Constantino

Mulher, mãe, bailarina, aventureira, amante por viagens, louca por novos desafios e apaixonada pela vida!

4 pensamentos em “A transformação de uma mulher em bailarina!”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *