Assédio também é moral – não se cale!

Trabalhar em um ambiente predominantemente masculino me fez ver situações constrangedoras com as minhas colegas de trabalho, que muitas vezes se renderam ao constrangimento com receio de uma punição. E vivenciar algumas situações destas me fizeram amadurecer como mulher e ter certeza que precisamos ser fortes para não permitir que assédios, de qualquer espécie, acorra conosco. Fui aos poucos entendendo que o “tal” do assédio também é moral e não apenas sexual, e isto é um assunto muito sério e que deve sim ser discutido e tomado suas devidas providências.

Mulher você não deve ser calar!

Acredito que existe uma grande diferença entre o “respeito” e a “brincadeira”. Toda mulher deve ser respeitada, independente da sua profissão, idade, cor ou religião. Mas, é natural que ocorram brincadeiras, principalmente, no ambiente de trabalho onde os homens são a maioria. E neste ponto entramos em um assunto bem sensível, porque é preciso saber dosar e entender até onde vai a brincadeira e aonde começa o desrespeito, e saber lidar com este meio termo é o que fará de nós mulheres ainda mais confiantes e preparadas para frequentar qualquer ambiente, sem nos preocupar com o assédio que poderemos sofrer.

Mas afinal, o que é assédio moral para com a mulher?

Assédio moral é a exposição à situações constrangedoras e humilhantes, por repetidas vezes, que afetam o dia a dia da mulher.

O assédio contra a mulher começa com uma simples conversa “inocente”, que vai atingindo o seu ponto fraco e vai ganhando uma proporção grande, até que a mulher não consiga mais se desvincular. No início sempre parece que é um tom de brincadeira, mas as críticas e ironias vão ficando cada vez mais contínuas e não cessam. E ai é quando a mulher já se vê “refém” de uma ou mais situações que a destroem, mas o medo de conversar com alguém e pedir ajuda a mantém com a cabeça baixa e sofrendo do mesmo mal. Quando o assédio acontece no ambiente de trabalho, o mais comum é ocorrer entre o chefe e a subordinada, onde este utiliza do seu “poder” para falar e conseguir tudo o que quiser.

Devemos nos calar?

Não! Mulher você não deve se calar. Este tipo de assédio é um tipo de violência velada, que só é percebido por alguém que esteja muito próximo de você. É um martírio para quem sofre, porque afeta diretamente o psicológico, a vida afetiva, a autoestima, o trabalho, a vida social. Se compara a uma doença incurável, que vai destruindo dia a dia cada pedacinho da mulher, definhando-a até que já não se reconheça mais, e passe a viver em função das críticas que escuta, acreditando ter se tornado o que foi construído de ruim a seu respeito. A mulher perde sua identidade e logo a vontade de viver.

Lembro de uma vez que presenciei uma colega de trabalho sendo humilhada por seu chefe, era um assédio moral, em que ele falava que ela era “burra” e “incompetente”, além de palavras agressivas, ele as falava em alto tom, a constrangendo perante todos na sala. Após o ocorrido, conversei com ela e descobri que ela já vinha sofrendo este tipo de violência há muito tempo, mas por medo de perder o emprego, sofria calada.

Sim, denunciar é muito difícil, mas não podemos continuar sendo vítimas com olhos fechados. O assédio moral é tão grave quanto um assédio sexual. E se nos calamos, o assédio não para, continua até não aguentarmos mais.

Mulher lembre-se que antes mesmo de seres mulher, és um ser humano e merece muito respeito.

Fonte imagens: https://pixabay.com

Siga-nos 🙂

Autor: Karla Constantino

Mulher, mãe, bailarina, aventureira, amante por viagens, louca por novos desafios e apaixonada pela vida!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *