Relacionamento abusivo, qual é o limite?

Falar desse tema é tenso e atormenta a paz de muita gente, pelo simples fato de ser um tema real, enfrentado por muitas mulheres nos dias de hoje. Relacionamento abusivo, qual é o limite?

Difícil imaginar e aceitar que em plena era da modernização, onde já conquistamos vários direitos e alguns pré conceitos já foram sanados, ainda existam mulheres que vivam um relacionamento abusivo, e que de alguma maneira aceitam esta condição por muitas vezes não saberem que estão sendo vítimas.

Mas o que é um relacionamento abusivo? Conceitualmente é um relacionamento onde uma das partes sofre com o abuso psicológico, afetando diretamente a sua autoestima, não tem agressão física, mas existe uma manipulação mental do que a outra pessoa pensa e faz, exatamente como o abusador deseja.

É um golpe muito baixo, porque afeta diretamente a estrutura psíquica da mulher, levando-a a acreditar que está insana, que não é capaz de mais nada, que não sabe lidar com as pessoas ou com o ciúme doentio, que o abusador faz acreditar que ela possua. Alguns sinais podem ser alertas que o relacionamento é abusivo, como:

  • humilhações e constrangimentos constantes;
  • sempre te coloca para baixo, dizendo coisas horrorosas sobre sua pessoa;
  • não existe diálogo, apenas o abusador fala;
  • sarcasmo e ironias repetitivos;
  • faz piadas com o seu jeito de ser, de se vestir;
  • te ameça constantemente;
  • te culpa por tudo;

Acredito que para um relacionamento ser considerado abusivo, o limite deve ser a percepção da vítima, e assim que notar que algo está fora do esperado, deve procurar ajuda psicológica e sair desse ciclo de ameaças, antes que toda a sua vida seja afetada. Se fortalecer é o que a mulher que sofre esse tipo de abuso deve ter de mais convicto, pois somente assim enfraquecerá esse tipo de relacionamento e a permitirá sair desse ciclo vicioso, sem medo e sem culpa.

Muitas mulheres ainda aceitam esse tipo de relacionamento, por medo de ficarem sozinhas, serem abandonadas, não darem conta da vida e se tornam verdadeiras reféns de abusadores que usam desses pontos fracos para se fortalecerem. Uma vez que o abusador descobre as fraquezas da vítima, irá cada dia mais entrar na sua mente e manipulá-la como bem desejar, criando um marionete sem capacidade de pensar ou agir diferente do que ele pensa.

Não permita estar em um relacionamento abusivo! Seja forte, se ame, se valorize, se respeite. Quem ama, aceita o outro com as suas diferenças e acima de tudo respeita o Ser Humano que está se relacionando.

Fonte imagens: https://pixabay.com

Siga-nos 🙂

Karla Constantino

Mulher, mãe, bailarina, aventureira, amante por viagens, louca por novos desafios e apaixonada pela vida!

2 comentários em “Relacionamento abusivo, qual é o limite?

  • 29 de março de 2018 em 10:46
    Permalink

    E muitas vezes sofremos os abusos sem ao menos perceber, por circunstâncias da vida acabamos sendo permissivas e deixando as coisas acontecerem… Somos tidas como Mulher Maravilha que tudo suporta, guerreira , mãe, mulher, dona de casa e etc…Mas de repente adoecemos, por ser depósito de tantas coisas negativas acabamos enfraquecendo e percebemos que precisamos sair desse relacionamento abusivo e destrutivo em que vivemos. Momento decisivo, nessa hora cabe a VOCÊ decidir, continuar doente ou dizer BASTA nessa relação. Eu coloquei um BASTA em qualquer tipo de relacionamento abusivo e Vc? DIGA NÃO AO RELACIONAMENTO ABUSIVO.

    Resposta
  • 2 de abril de 2018 em 17:37
    Permalink

    Definição de relacionamento (ou uma das): “capacidade de conviver bem com seus semelhantes”

    Falar sobre relacionamento abusivo acaba sendo muito difícil justamente por causa da extensão do que se define “relacionamento”, pois muitas vezes acossiamnos e discutimos o tema direcionado somente ao relacionamento casal, sem pensar nos outros tipos de relacionamento que existem e comportam atitudes tão abusivas quanto.

    Os abusos podem ser aplicados de N formas diferentes , umas tao sutis que não percebemos os maleficios causados, e nem mesmo são classificados como abusivo,
    estes podem ser praticados por um “parceiro” ou ate mesmo ou “amigo”, quantas amizades temos hoje que se aplicariam a este tema? deveríamos pensar mais nisso também.
    Amizades/situações que nos deixamos ser levados ou abusados simplesmente por não querer nos indispor com ninguém ou ate mesmo pra evitar uma discussão ou uma situação “cansativa”.

    Sempre haverá espaço para os abusador, pois ele é mestre em identificar e manipular alguém que naquele momento se escontra mais frágil, e uma vez entrando neste ciclo vicioso não é fácil sair, mesmo que orientados ou questionados do porque aguentamos isso, muito por conta dessa situação não ser percebida ou aceita, ou simplesmente por não querer entrar em confronto com a realidade vivida…

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *