Se penso em me separar, porque me casar?

É bastante contraditório, mas se penso em me separar, porque me casar? Sabemos que o casamento é um momento muito esperado por um casal que se ama, afinal estão dispostos a dividir toda uma vida, compartilhando momentos bons e ruins. Mas, cada dia que passa, os casais estão se casando e logo se separando e aí fica uma pergunta no ar: Por que se casam então? Para se realizarem perante a sociedade? Pressão da família? Uma tentativa de não ficar sozinho? Solidão? Moda?

Complicado julgar o que leva um casal a se separar, mas a dissolução conjugal passou a ser tão comum, que muitas pessoas não acreditam mais que uma união funcione. Tudo se tornou tão “nem aí”, que o casamento passou a ser para muitas pessoas uma aventura, uma tentativa de dar certo, mas se não der, ok. E não que devamos fazer uma tempestade em copo d’água, mas termos cuidado com o sentimento do outro, agirmos com respeito e muito amor, sempre.

E com tantas separações ocorrendo no mundo, várias reflexões veem a mente, como:

  • será que as pessoas separam porque acabou o amor?
  • será que elas nunca se amaram, e se casaram por uma pressão da sociedade?
  • será que uma das partes fez um tipo de assédio moral?
  • será que uma outra pessoa é o motivo da separação?
  • será que a falta de liberdade trás a tona a necessidade de estar só?
  • será que não ter amigos leva a uma união, que na verdade nunca deu certo?
  • será que as pessoas agem apenas com a emoção e esquecem da razão?
  • será que as pessoas tem medo de ficarem sozinhas?
  • será que nunca existiu felicidade?

Enfim, muito podemos pensar, mas sem dúvida cada caso é um caso, mas o que temos que refletir é que nos amarmos em primeiro lugar e respeitar o outro, fará com que tomemos uma decisão mais coesa e que nos permitirá continuarmos a vida felizes, libertos e sem culpa.

Razões que levam um casal a se separar:

  1. Desgaste da Vida A2

    Cerca de 37% das pessoas afirmam que se separaram pelo cansaço da convivência, uma espécie de fastio, de tédio que elas sentem em função dos anos e anos de relacionamento rotineiro.

2. Traição

A infidelidade responde por 21% das separações. Ela pode começar com um simples olhar, um pensamento, uma conversa despretensiosa, e no final destruir famílias.

  1. Dinheiro

Para muitos, é a maior causa de separações entre os casais: o Dinheiro. O vil metal, se utilizado adequadamente, é bem-vindo, se desperdiçado, pode gerar conflitos graves no casamento.

  1. Pessoas Diferentes

    A união de seres singulares, criados em famílias distintas, com histórias desiguais, que passaram a dividir uma vida juntos, 24 horas por dia, só será possível se essa dessemelhança for respeitada, tolerada e, acima de tudo, conversada, discutida constantemente.
  2. Falta de Comunicação

Entre eles há pouca conversa sobre aquilo de que gostam, do que não gostam, sobre suas preferências ou dissabores. Enfim, é frequente a omissão de sentimentos essenciais para a manutenção de um casamento saudável, o que é péssimo para o bem-estar da relação.

  1. Falta de Intimidade

Marido e mulher precisam estar próximos. Precisam ser, antes de tudo, muito amigos. Devem se ajudar nos momentos de dificuldade. Em desafios profissionais, na criação dos filhos e em afazeres simples, como nas tarefas domésticas, tradicionalmente destinadas às mulheres. Não ter esse suporte do companheiro faz com que a confiança nele encolha e, não raro, ficar sozinho se torna uma opção mais vantajosa.

  1. Falta de Apoio

Um casal deve apoiar-se, seja nos afazeres de casa, seja nos desafios profissionais.

  1. Convivência com um Companheiro Derrotista, ou seja,“negativo”

Relacionar-se com alguém requer determinadas habilidades, como a paciência, mas ela tem limites. Imagine conviver com uma pessoa que reclama de tudo, o tempo todo? E por mais que se tente agradar, nada está bom.  E de quem é a culpa por tudo estar ruim? Dos outros!

  1. Excesso de Controle 

Muitas mulheres fiscalizam ou pelo menos tentam fiscalizar a vida de seus maridos. Fazem verdadeiros inquéritos do tipo: Onde você está? Com quem está? A que horas chega? Vem por onde? Comeu o quê? Esse controle também é comum por parte dos homens, principalmente quando veem suas esposas mais arrumadas, querendo sair com as amigas.

  1. Vida Sexual dos Casais

Eis um ponto que merece atenção especial dos cônjuges. Um relacionamento longo não significa estabilidade, não significa estar livre de desmoronamento; relacionamentos recentes ou duradouros podem não ser eternos se marido e mulher não se preocuparem em estimular o sexo no casamento.

  1. Violência
    O décimo primeiro ponto a destruir matrimônios não deveria fazer parte da realidade de nenhum casamento, mas infelizmente é comuníssimo encontrá-lo nos lares de qualquer classe social: aviolência.

Muitas vezes a violência não chega a ser física, permanecendo no âmbito verbal, mas, ainda assim, ela pode doer tanto quanto a física ou até mais, porque palavras ditas com raiva, em momentos inapropriados, por pessoas amarguradas e frustradas só tendem a ferir gravemente o outro.

  1. Falta de um Sonho em Comum

Como viver junto e não ter os mesmos sonhos, e não planejar o futuro, e não ter um horizonte em comum?

Fonte: https://sucessonocasamento.com

Sabemos que não existe relacionamento perfeito, mas é preciso que o casal que se proponha a viver uma vida juntos, tenha respeito, paciência, confiança e muito amor um pelo outro, afinal esses são os pilares para que o casamento dure e seja saudável, sincero e harmonioso. Os pontos descritos acima, valem de atenção para que possamos pensar se realmente não estamos contribuindo para uma separação. Zelar dia a dia pela união e valorizar a pessoa que está ao seu lado, é fundamental para que uma união de paz e amor vire rotina.

E que seja eterno enquanto dure esse amor…que dure até que os corações estejam cansados de tanto amor!

Fonte imagens: https://pixabay.com

Siga-nos 🙂

Muay thai também é para as mulheres!

Há quase três anos tive à oportunidade de conhecer e praticar à arte marcial tailandesa Muay thai. Sempre gostei de fazer aulas em grupo, onde pudesse unir o exercício à sociabilização, mas em especial as lutas sempre me encantaram. Então comecei a praticar o Muay thai, com dois objetivos em vista, perder peso e desestressar. Adianto que o que era apenas objetivos simples se transformou em uma paixão enlouquecedora. Vamos a história!

O começo

As primeiras aulas de Muay thai foram “esquisitas”, primeiro porque não conhecia ninguém, segundo porque não tinha material completo e terceiro porque só tinham homens no tatame. Mas com o tempo fui percebendo que dos três fatores citados apenas o segundo era relevante, isto porque já nas primeiras aulas podia contar a quantidade de hematomas pelo meu corpo, afinal eu não tinha o material completo para o treino. O primeiro fator foi solucionado já nas primeiras aulas, onde já conhecia todos e nos divertíamos muito nas aulas. O terceiro fator até me ajudou a enxergar a arte marcial como uma verdadeira escola para toda a vida, pois vivenciei dia a dia o respeito de todos por mim e ao mesmo tempo a seriedade pelo Muay thai que todos tinham, não importando para eles que eu era uma mulher e sim que eu era mais uma pessoa que estava ali com foco e paixão pela arte marcial. Cada aula era única, o professor nos passava os exercícios com muita clareza e em duplas íamos praticando. Entre jebs, diretos, cruzados e chutes ia me aperfeiçoando e limpando os meus golpes, persistindo mesmo quando não era muito assertiva nos meus movimentos, mas sempre confiante de conquistar os meus objetivos e seguir em frente.

Com o passar das aulas, fui aprendendo cada vez mais, me apaixonando, percebendo que a luta nos convida a conhecê-la, convidei algumas amigas para frequentar as aulas, fui me graduando e entendendo que tudo é possível quando se tem determinação e persistência.

Sobre o fato de ser mulher no tatame

A pergunta que me fazem até hoje é sobre: como é lutar com homens? Eles machucam as mulheres? Bem, eu sempre pensei que se estamos dispostos a fazer algo, temos que dar o primeiro passo e fazer, sem julgamentos ou receios. Eu sempre quis lutar, então comprei a minha luva e fui para à aula. O treino de Muay thai que sempre pratiquei nunca diferenciou mulheres de homens, sempre foi o mesmo treino, todos juntos e misturados, e isto sempre me motivou muito a continuar e a melhorar a minha performance. Nas minhas primeiras aulas, eu era a única mulher, mas sempre quis que “eles” treinassem comigo sem “dó”, apenas com respeito. E assim foi feito. Apanhei muito, levei soco na cara, muito chute nas costelas, coxa, panturrilha e cabeça. Apanhei até o momento em que aprendi a me defender e agradeço à eles por terem me tratado de igual para igual, somente assim construi toda uma paixão por esta arte e o mais importante o respeito incondicional por todos dentro do tatame, independentemente do sexo. O fato de ser mulher para mim nunca afetou a minha vontade de lutar.

Muitas mulheres tem medo de começar as aulas porque podem se machucar, e o que posso falar a respeito é que se você não quer se machucar, é melhor não começar a lutar, porque o Muay thai é uma luta de contato, e vai acontecer sim de um soco acertar o rosto ou um chute pegar de jeito na costela. É uma arte que exige muita disciplina, atenção e treino, mas se mesmo assim você quiser realmente praticar esta arte fenomenal, siga em frente e a dica valiosa é: equipe-se em todos os treinos e seja feliz!

Os benefícios

Vamos falar dos benefícios do Muay thai na vida de nós mulheres. A maioria das mulheres buscar a luta como uma forma de exercício físico, como foi o meu caso, mas os benefícios são muito maiores.

Quando lutamos liberamos alguns hormônios, dentre eles temos à endorfina e a catecolamina (adrenalina e noradrenalina), que nos relaxam e aceleram o nosso metabolismo. Além da liberação destes hormônios, praticar Muay thai:

– Desestressa;

– Aumenta à agilidade mental;

– Permite fazer novas amizades;

– Auxilia na perda de peso;

– Aumenta a circulação sanguínea;

– Melhora a coordenação motora;

– Dá mais força muscular;

– Encorajamento;

– Autoconfiança;

– Flexibilidade;

– Disciplina

Sem dúvida alguma é uma arte incrível que permite à nós mulheres nos tornarmos mais confiantes, fortes, corajosas, nos preparando ainda mais para erguer a cabeça sempre e seguir frente nas diversas circunstâncias da nossa vida.

Lutar não é só para homens, é para todos e para nós mulheres também. Porque luta é vida e a vida é para todos. Que o respeito seja o combustível para um mundo cada vez melhor.

Siga-nos 🙂