Que dengo mãe – uma relação inexplicável de amor!

Já dizia a minha mãe: “filho quando está longe da mãe é uma criança completamente diferente de quando está perto”, confesso que discordava desta frase até o dia em que minha filha passou o dia com a vovó e o vovô, e quando eu cheguei para buscá-la, iniciou-se um dengo inacreditável, reclamações, voz chorosa, fome, sede e no final um abraço bem gostoso e uma frase: “mamãe, que saudade que eu estava de você”. Ahhhh…Que dengo mãe – uma relação inexplicável de amor, que ultrapassa a nossa razão, e nos permite sentir o maior amor do mundo.

É uma loucura o que acontece quando nós mamães estamos por perto dos nossos filhos. Eles choram sem motivo, reclamam de tudo, fazem drama, não querem colocar um roupa porque não gostaram da cor, andam grudados conosco, ficam muito dependentes de nós, enfim, fazem de tudo para chamar nossa atenção e aproveitar cada minutinho ao nosso lado. E por que será, que quando eles ficam longe de nós mudam as atitudes?

Acredito que tenha muito a ver com o tempo escasso que a maioria de nós tem para ficar com os filhos, a rotina corrida, deixar o filho na escola cedinho e só buscá-lo no fim do dia, sair do trabalho correndo, chegar em casa, fazer o dever, dar banho, fazer comida, lavar uniforme, arrumar lancheira e quando tudo parece sobre controle, já estamos exaustas, só querendo uma boa noite de sono, para que no outro dia bem cedo, estejamos de pé, firmes para fazer o café da manhã, arrumar os nossos filhos para escola, nos arrumar para o trabalho e começar mais uma rotina. Esta é exatamente a rotina que levo com a minha filha, uma correria para deixar tudo em ordem, mas confesso que em meio da correria, eu procuro deixar de lado algumas tarefas de casa para poder dar mais atenção para ela. Muitas vezes me sinto culpada em não dar o colinho que ela merece, mas procuro fazer o que posso para estar presente, dando carinho, beijos, conversando, assistindo desenho, lendo um livro, e mesmo que eu esteja bem cansada, arrumo energia para aproveitar cada minuto ao lado dela.

Nos finais de semana, o meu tempo é todo dela e fazemos programas legais juntas. Cinema, parque, teatro, aniversário das amigas, jogo de tabuleiro e o grude é inevitável. Ficamos focadas uma na outra e isto deixa ela bem dengosa, vira uma relação de “dengo de mão dupla”, que acho uma delícia, mas que dura no máximo dois dias, depois voltamos a nossa realidade de vida corrida e mais uma vez me sinto culpada por não poder me dedicar à ela quanto eu gostaria.

Sobre o dengo entre filhos e mães não acho ruim, mas precisa ser dosado. Toda criança precisa entender que as mães tem os seus afazeres, e criá-los para enfrentar a vida é muito importante. E nós, mamães, precisamos entender que muitas vezes àquela reclamação, chorinho não passa de um dengo, uma maneira de chamar a nossa atenção e pedir um colo gostoso.

Um colo de mãe não é substituído por nenhum outro colo.

Quando os nossos filhos estão com outras pessoas, eles sabem como agir, são crianças maduras, que até nos surpreendem. Tomam banho sozinhos, não reclamam a toa, comem direito, brincam, mas aí é só ver a mãe chegar e pronto, tudo fica diferente, parece que são duas crianças distintas, mas vamos tentar entendê-los, o que passa na cabecinha deles é mais ou menos assim: “a minha mãe chegou e ela me ama incondicionalmente, me adula, me defende, me apoia, me dá o colinho mais gostoso do mundo, me beija até a bochecha ficar vermelha, me entende, então se eu não fizer dengo com ela, com quem mais irei fazer”?

Que nós mães possamos dengar os nossos filhos sim, mas nunca esquecermos de ensiná-los a seguir o caminho da vida fortalecidos e independentes.

Fonte imagens: https://pixabay.com

Siga-nos 🙂