Relacionamento abusivo, qual é o limite?

Falar desse tema é tenso e atormenta a paz de muita gente, pelo simples fato de ser um tema real, enfrentado por muitas mulheres nos dias de hoje. Relacionamento abusivo, qual é o limite?

Difícil imaginar e aceitar que em plena era da modernização, onde já conquistamos vários direitos e alguns pré conceitos já foram sanados, ainda existam mulheres que vivam um relacionamento abusivo, e que de alguma maneira aceitam esta condição por muitas vezes não saberem que estão sendo vítimas.

Mas o que é um relacionamento abusivo? Conceitualmente é um relacionamento onde uma das partes sofre com o abuso psicológico, afetando diretamente a sua autoestima, não tem agressão física, mas existe uma manipulação mental do que a outra pessoa pensa e faz, exatamente como o abusador deseja.

É um golpe muito baixo, porque afeta diretamente a estrutura psíquica da mulher, levando-a a acreditar que está insana, que não é capaz de mais nada, que não sabe lidar com as pessoas ou com o ciúme doentio, que o abusador faz acreditar que ela possua. Alguns sinais podem ser alertas que o relacionamento é abusivo, como:

  • humilhações e constrangimentos constantes;
  • sempre te coloca para baixo, dizendo coisas horrorosas sobre sua pessoa;
  • não existe diálogo, apenas o abusador fala;
  • sarcasmo e ironias repetitivos;
  • faz piadas com o seu jeito de ser, de se vestir;
  • te ameça constantemente;
  • te culpa por tudo;

Acredito que para um relacionamento ser considerado abusivo, o limite deve ser a percepção da vítima, e assim que notar que algo está fora do esperado, deve procurar ajuda psicológica e sair desse ciclo de ameaças, antes que toda a sua vida seja afetada. Se fortalecer é o que a mulher que sofre esse tipo de abuso deve ter de mais convicto, pois somente assim enfraquecerá esse tipo de relacionamento e a permitirá sair desse ciclo vicioso, sem medo e sem culpa.

Muitas mulheres ainda aceitam esse tipo de relacionamento, por medo de ficarem sozinhas, serem abandonadas, não darem conta da vida e se tornam verdadeiras reféns de abusadores que usam desses pontos fracos para se fortalecerem. Uma vez que o abusador descobre as fraquezas da vítima, irá cada dia mais entrar na sua mente e manipulá-la como bem desejar, criando um marionete sem capacidade de pensar ou agir diferente do que ele pensa.

Não permita estar em um relacionamento abusivo! Seja forte, se ame, se valorize, se respeite. Quem ama, aceita o outro com as suas diferenças e acima de tudo respeita o Ser Humano que está se relacionando.

Fonte imagens: https://pixabay.com

Siga-nos 🙂

Relacionamentos abusivos e tóxicos, o egocentrismo e o epicurismo.

O ser egocêntrico, que vive exclusivamente seus desejos, esquece-se de olhar para o outro com quem divide o relacionamento. Focado apenas em si e em suas vontades, esse ser espera que a pessoa, que em sua mente, somente o acompanha no relacionamento o siga e adapte-se as suas vontades. Tóxica essa relação será unilateral e agradará apenas a um, enquanto o outro torna-se refém e dependente de alguns afagos recebidos periodicamente.

Já o ser epicuro, passivo e anestesiado é refém de sua própria apatia. Focado na autocontemplação, satisfaz-se com que recebe. E de forma alguma atenta-se as lacunas do outro, lacunas as quais ele poderia ajudar a sanar impulsionando o relacionamento, e o outro, para um novo grau de evolução.

Porém, quando o ser epicuro encontra um ser egocêntrico o relacionamento se torna mais tóxico e abusivo. Dotado de vontades e desejos unilaterais o ser egocêntrico guiará o relacionamento para onde acredita ser o caminho, que por certo é a satisfação de seus desejos pessoais. E o ser epicuro, por sua vez contemplará aquele guia e girará em torno deste até que queime suas asas, como uma mariposa em busca da lua.

O  equilíbrio entre o epicurismo e o egocentrismo pode ser a resposta para o fim das relações toxicas, apáticas e abusivas. Pois quando insatisfeito com algo, esse ser equilibrado e empático, compreende a lacuna existente no próximo e desta forma procura ampara-la. Com dialogo, serenidade e temperança, apoiará o outro para que este preencha a lacuna existente ou entenderá ser esta uma característica imutável do outro. Porém uma vez exposta a lacuna e esta sendo sanada ou não, agora, como um casal, em conjunto eles podem escolher, continuar ou não nesta relação.

O diálogo, provavelmente é o melhor caminho para expor as lacunas de um relacionamento, porém o diálogo é somente uma ferramenta para tal. E este dever vir cheio de empatia, serenidade e temperança.

Desta forma, […inúmeras palavras caberiam aqui, qual você escolheria?…Covardia? Triste? Traição?] é nem procurar em quem se está o que facilmente encontrará em outra. Pois assim, de forma abusiva teremos um relacionamento parcial, onde só se atende as necessidades pessoais, incluindo novas figuras ao relacionamento em uma vontade unilateral.

Construa um relacionamento equilibrado e sincero com: empatia, dialogo e temperança.

Siga-nos 🙂

Fight like a girl – Luta como uma garota

Nossa artista de hoje é a Carolina Porfírio, ou Kaol Porfírio como ela se apresenta. Kaol utilizou-se da frase “Você luta como uma garota!”, amplamente aplicada como uma ofensa, e a transformou em uma forte menção de orgulho as mulheres que lutam, constantemente, como garotas.

Kaol usa suas habilidades artísticas para estampar personagens fortes, do mundo dos quadrinhos, games e filmes enaltecendo a força, em essência a não física, de cada uma delas. A alguns dias falamos aqui no amoremsi sobre mulheres que lutam, nossa colunista, nossa colunista Karla Constantino faz Muay Thai 😀 olha só:

Muay thai também é para as mulheres!

Da uma olhadinha também nos produtos quem estampam a arte da Kaol e de outras artistas incríveis na loja virtual heroicas.com.br. Lá também tem dicas de onde encontrar os produtos em lojas físicas.

E seu trabalho pode ser acompanhado no instagram:

"Você luta como uma garota." "Obrigada." Moana é mais uma personagem que felizmente, fará história. Tanto pelo sua nacionalidade e cultura, quanto pela determinação e força. Moana é 'princesa disney' mas não sugiro que a chame assim. Até porque ela não é só uma princesa, ela é uma lider nata. Sugiro também que não diga que ela não pode fazer algo… Porque ela provavelmente irá provar que consegue conquistar O MUNDO se você duvidar dela por causa da sua idade e/ou gênero. Ela não é a primeira personagem da disney a se "rebelar" contra as regras da sociedade e não vai ser a última. Sinto -muito feliz- em informar. <3 — Antes de mais nada quero dizer que vou estar na GGRF – Geek & Game Rio Festival ! <3 <3 <3 Abril, Rio estarei ai! Agora deixa eu falar de Moana. Espero que tenham gostado desse desenho. Usei como referencia uma pose dela em uma imagem da divulgação que eu adoro, não consegui pensar em algo melhor porque já tinham feito algo perfeito hahaha :p Obrigada pelo apoio e mensagens. Tudo de bom pra vocês! kaol

A post shared by Carolina Porfirio (@kaolporfirio) on

Um dos trabalhos de Kaol que mais me marcou foi a série sobre relacionamentos abusivos:

Continuando a série sobre Relacionamento Abusivo. Para saber mais, entre no album, ou passe as imagens para ver as anteriores <3

Violência moral acontece quando a dignidade da vitima entra em jogo. Um exemplo é a divulgação de fotos pessoais, como o revenge porn, onde por exemplo, a vitima é acusada de traição, e tem suas fotos pessoais vazadas na rede. Isso poem em risco trabalhos, estudo, o ambiente familiar e claro, a saúde da vítima. 😕

Obrigada as comentários e ajudas <3

Show de bola Kaol, seu trabalho é lindo e continue lutando como uma garota 🙂

 

 

Siga-nos 🙂