A era do Mi Mi Mi sem hora para acabar!

2017 está chegando ao fim e com ele a era do MI MI MI sem hora para acabar. Que ano incrivelmente marcado por polêmicas e um assunto que nunca imaginaríamos que seria tema de tantos debates e empasses: o famoso mi mi mi.

Nos anos 80,90, não muito distantes, acredito que éramos mais “maleáveis”, aceitávamos e fazíamos brincadeiras, sem ter receio que poderia virar um processo de justiça. Tínhamos mais liberdade de falar o que pensávamos, nos divertíamos com as piadas que nós mesmos éramos alvos, nos uníamos mais em prol a qualquer causa, e acredito que entendíamos que tudo não passava de uma fase entre amigos. Muitos eram chamados por um apelido e isto não era ofensivo, era apenas engraçado e até carinhoso, e quando algo dito não era tão legal para alguém, a brincadeira acabava na hora e pronto. O respeito existia acima de tudo e a vida continuava leve.

Mas os anos foram passando, a tecnologia começou a ganhar espaço antes ocupado pelas bolas de futebol, skates, bonecas, brincadeiras de rua. As pessoas da mesma quadra já não se conheciam mais, cada um na sua casa, na sua vida, no seu “mundinho” e quando menos esperávamos, em um partida de futebol alguém gritou: “ei grandão, passa a bola”, pronto! O caos estava instalado, à inimizade feita e um processo de bullying contra o carinha que gritou sem intenção de ofender, iniciado. E me parece que basta o start para que tudo se viralize. Daí em diante tudo se tornou agressivo, ofensivo, mas será que é nesta proporção mesmo? Ou entramos na era do Mi Mi Mi sem fim, onde não somos mais capazes de descontrair, tudo se tornou tão sério, que é melhor ter amigos virtuais e deixar os reais para uma próxima década?

Triste esta realidade que nos envolvemos e de certa forma criamos. E não estamos falando aqui de falta de respeito, mas de deixar de lado tanto mi mi mi e começarmos a dar importância ao que realmente importa. Precisamos tentar ser empáticos sem perdermos o senso de humor, pois a vida já é cruel, dura e curta.

Muito me agrada quando ainda vejo pessoas que conseguem levar a vida numa boa, sem mi mi mi, com respeito ao próximo, mas não perdendo o senso de humor. Que compreendem que a vida é muito curta para tanto exagero, e que as pessoas tem uma bagagem muito preciosa que podem nos agregar muito valor.

Meu alerta é para que cuidemos em não achar que bullying é tudo o que ele não é, e esquecermos de aproveitarmos o que a vida tem de melhor a oferecer, como o convívio das pessoas que passam por ela.

Bullying (IPA[ˈbʊljɪŋ]) é um anglicismo utilizado para descrever atos de violência física ou psicológica intencionais e repetidos, praticados por um indivíduo ou grupo de indivíduos, causando dor e angústia e sendo executadas dentro de uma relação desigual de poder.[1] bullying é um problema mundial, sendo que a agressão física ou moral repetitiva deixa sequelas psicológicas na pessoa atingida. [Google]

Fonte imagens: https://pixabay.com

Siga-nos 🙂

Gentileza gera mais do que gentileza

Em um mundo onde a violência está tomando conta, pensar que ainda podemos fazer a diferença e deixar tudo mais colorido, nos permite sonhar alto e ter esperança de uma vida mais plena e feliz. E sermos gentis é um grande passo para que plantemos a semente no coração do próximo e lembremos que gentileza gera mais do que gentileza, promove amor, paciência e respeito.

Ser gentil é ter um coração de criança, é ser educado, dar a vez, ter empatia, ser cuidadoso, amar ao próximo como a ti mesmo.

Não devemos ser gentis esperando algo em troca, devemos fazer de coração e tornar um hábito nas nossas vidas, mas a lei da reciprocidade é uma grande verdade, quando fazemos o bem, recebemos o bem, quando somos gentis, recebemos muito mais como retribuição do universo, recebemos um conjunto de ações que invadem a nossa alma de felicidade, nos permite estar com pessoas do bem, nos faz ser mais humanos e menos egoístas.

Uma certa vez vi um adesivo em um carro que dizia “Gentileza gera Gentileza”, achei bem legal e pensei: “que massa, esta pessoa deve realmente querer ver um mundo melhor” e logo em seguida ao meu pensamento, esta mesma pessoa, deu uma fechada em outro carro e gritou vários xingamentos, ai pensei: “o que adianta ter um adesivo tão legal e não praticar?”, enfim, a lição que levei naquele dia é que de nada adianta conceitos sem prática.

Conceitos não concretizados são como flores sem vida!

Que possamos dia a dia procurar colocar em prática a gentileza com todos, sem distinção de raça, cor ou religião, pensando em oferecer gentileza sem nada em troca, porque quando fazendo o bem, tudo se torna mais colorido e pleno. Respeito ao próximo é o mínimo que devemos ter uns pelos outros, então que possamos pensar em agir com mais calma, carinho, cuidado e tudo será mais tranquilo de lidar.

Gentileza gera MAIS do que gentileza. Pratique você também!

Fonte imagens: https://pixabay.com

Siga-nos 🙂